Blog
Lojas Donna 2 de novembro de 2019

5 curiosidades sobre o Día de Muertos no México

No México, a morte tem significado único! Em vez de lamentada, é festejada uma vez ao ano — de 31 de outubro a 2 de novembro. Nestes dias, a animação toma conta, pois se acredita que os mortos devem ser recebidos com alegria e coisas de que gostavam enquanto vivos. Bem diferente do Brasil, né?

O Día de Muertos é uma comemoração antiga, que já ocorria antes da chegada dos espanhóis à América, com raízes indígenas. Com a chegada dos espanhóis, os costumes locais foram sendo mesclados com o catolicismo, dando assim origem ao Día de Muertos moderno.

Cada vez mais conhecida no mundo, listamos 5 curiosidades sobre a celebração mexicana. Confira!

1- Dois dias de festa

Segundo a crença, os mortos podem voltar para visitar a família ainda vida. Justamente por essa expectativa de visita, é uma data festiva, alegre e muito colorida. No dia 1º de novembro são celebradas as crianças e no dia 2 os adultos, quando as famílias costumam passar a noite nos cemitérios, iluminando os túmulos com velas para ajudar as almas a encontrar o caminho de volta.

2- As flores e comidas

As flores de Cempasúchil são as mais simbólicas e utilizadas nos altares, sempre nas cores amarelo e laranja, e formando caminhos pelo chão para guiar as almas; mas também se utilizada bastante o Rojao, uma linda flor amarela, ou a Acalifa-macarrão, uma flor rosada.

Entre as comidas mais tradicionais do dia e preferida das crianças estão as caveirinhas de açúcar, que leva o nome das pessoas falecidas. O “pan de muerto” ou pão dos mortos também é muito conhecido, que é um pão doce polvilhado com açúcar e enfeitado com ossinhos.

3- O Altar

Como forma de recordar e receber os falecidos, são colocados nos altares comidas, bebidas ou a música preferida do ente querido. Os altares devem representar os quatro elementos: Água, colocada num copo, xícara ou vasilha; Fogo, com velas; Terra, com frutas e Ar com papeis picados.

4- La Catrina: a famosa caveira mexicana.

Antes da chegada dos espanhóis, o destaque da festa era a Dama da Morte, deusa que teria inspirado a criação de La Catrina, caveira símbolo da celebração hoje em dia.

A influência dos crânios humanos na comemoração é profunda. Algumas cidades do México organizam até concursos de fantasia para eleger quem se veste melhor de La Catrina.

5- Frida Kahlo e Catrina:

Por falar em Catrina, ela foi criada pelo gravurista e cartunista José Guadalupe. Diego Rivera retratou Catrina em seu mural Sueño de una tarde dominical en la Alameda Central. Na obra, Catrina ocupa lugar de destaque no centro da pintura, que retrata acontecimentos históricos e diversas outras figuras importantes do México, incluindo sua esposa Frida Kahlo, uma das pintoras e personalidades mexicanas mais famosas e José Guadalupe Posada.

Parte central da obra de Diego Rivera onde Catrina, Frida Kahlo e José Guadalupe Posada ocupam lugar de destaque.